25 setembro, 2014

Feminismo, o palavrão

Preciso fazer uma confissão antes de falar sobre feminismo. Eu também já neguei ser feminista, já associei feminismo a algo agressivo, ruim e extremista. Eu precisei tomar conhecimento de agressões terríveis contra mulheres pelo simples fato de serem mulheres, e precisei ler e entender melhor para me libertar do que a sociedade machista quer que acreditemos: que feminismo é algo feio, que “essas mulheres” não tem nada que reivindicar direitos, ou o popular: “tá faltando louça para lavar”.
A grande verdade é que somos, como sociedade, machistas. E é essa mentalidade machista que marginaliza o termo feminismo. Feministas já foram, quando necessário, as mulheres que queimavam sutiãs nas ruas. Hoje, feministas somos (devemos ser) todos nós, homens e mulheres. Porque ser feminista é simplesmente concordar com algo muito simples que ninguém que conheço admitiria em voz alta que não concorda: Homens e mulheres têm direitos e deveres iguais. Básico, simples, humano e importante. Ser feminista não é ser “contra os homens”.
Mas também é saber que homens não são donos de mulheres, o trabalho da mulher não vale menos que o do homem, o papel da mulher na sociedade não é menor do que o do homem. A mulher não precisa ser recatada, submissa ou dependente para ser feminina. A mulher não precisa se vestir de certa forma para ser respeitada, agir dessa ou daquela maneira para ser digna, ter este ou aquele papel para ser mulher. Uma mulher é um ser humano, e está na hora de nos libertarmos de estereótipos e entendermos isso.
Enfim, estou aqui hoje para falar um palavrão para vocês: feminismo. Estou me posicionando: Sou feminista. Mas a questão não é uma palavra, é um movimento.

E para comemorar, traduzi o texto de um discurso importantíssimo que a atriz Emma Watson fez na semana passada na ONU, Lançando a campanha #EleparaEla e convidando os homens para serem também feministas.

A minha tradução, não oficial, feita por minha própria conta, risco e vontade, está aqui
O texto original está aqui
O vídeo do discurso aqui

E mais importante, o site da campanha, principalmente para meus amigos homens participarem, está aqui: http://www.heforshe.org/

26 agosto, 2014

Palmeiras Centenário

Hoje o Palmeiras faz 100 anos. Na nossa família, somos todos Palmeirenses. Eu não podia deixar passar em branco.

Somos palmeirenses por culpa do Túlio (http://www.palmeiras.com.br/historia/idolos/494) , um dos grandes ídolos do time, cujo nome completo era Artur Affini. 

Ele era primo de meu avô, que nunca admitiu que um filho ou um neto torcesse para outro time, e ficaria orgulhoso hoje de ver bisnetos também Palmeirenses.

Fomos "obrigados", sim. Isso só significa que em nossa família, o amor pela Sociedade Esportiva Palmeiras já nasce com a gente.

Sofremos, torcemos, e para quem diz que não temos o que comemorar, temos sim. 100 anos de história, não é pouco. 

Viva o Túlio, Viva o Palmeiras!

‪#‎100AnosDePalmeiras‬
‪#‎CentAnniPalmeiras‬

22 agosto, 2014

Ajude quem você quiser, do jeito que quiser. Ou: Quando foi que ficamos tão chatos?

Se a pessoa apoia causa dos animais abandonados, devia se preocupar com crianças abandonadas, se apoia uma doença especifica, deveria apoiar outra, ou – pior – “só está querendo aparecer”.

Quando foi que ficamos tão chatos, e nos sentindo no direito de patrulhar até as boas ações do outro?

Sim, o que me levou a escrever isso foi a movimentação em relação ao “ice bucket challenge” ou “desafio do balde de gelo” que tem o objetivo de dar visibilidade a uma doença rara, pouco conhecida e incentivar doações para garantir a pesquisa, dado que, por ser rara, não tem pesquisas patrocinadas pela iniciativa pública.

E toda a brincadeira está divertidíssima, desde o Mark Zuckeberg desafiando Bill Gates que aceitou e fez uma engenhoca com direito a projeto usando comic sans!!!!, famosos e famosas fazendo o desafio com camiseta branca ou sem camisa até o troféu do US Open (que começa em 3 dias – yay!) levando gelo na cabeça e desafiando outros troféus, a Copa do Mundo da FIFA entre eles. Isso fora os hilários vídeos de não famosos e seus “fail ice bucket”.

Ou seja, uma coisa divertidíssima, que a ALS Association já divulgou que aumentou sim, e muito a arrecadação e mais: toda a bagunça está levando as pessoas a se perguntarem: mas o que é esclerose lateral amiotrófica?
Enfim, o objetivo da campanha é esse: aumentar a arrecadação para pesquisa e aumentar a visualização da doença.
Aí, os seres humanos em vez de darem risada, entenderem (ou não) a doença e seguirem em frente, não. Eles têm que reclamar. Porque claro, só eu que sei quem deve fazer qual campanha para qual problema...

Lista dos #mimimis que já li:

Desperdício de água – Ok, estamos com problemas de abastecimento. Mas o banho de 15 minutos que você toma gasta muito mais água que um balde na cabeça e não ajuda ninguém. A menos que você esteja realmente fazendo uma ação muito séria para economizar água, não permito que use esse mimimi. Próximo.

Eles só querem aparecer – Se os famosos que aderiram, com esta atitude melhoraram sua imagem de alguém com bom coração, QUAL É O PROBLEMA? O objetivo é chamar a atenção, quanto mais famosos fizerem, melhor. Se com isso eles também tiverem exposição, e daí, isso prejudica quem? Próximo.

Mas quem garante que eles estão doando? Bem, aí eu digo 2 coisas: Desculpe, não sabia que você era auditor da ALS Association e a segunda é que, mesmo que fosse verdade, o que é muito difícil porque estamos falando de pessoas para quem alguns dólares não farão falta, AINDA ASSIM eles estão ajudando, dando exposição para a campanha e eventualmente incentivando as doações dos anônimos. Próximo.

Tem coisas mais importantes, doenças mais graves, causas mais justas para apoiar. E é você quem decide qual causa é mais importante e quem deve doar para cada uma?

A doença é rara, afeta poucas pessoas, não precisa de pesquisa. OPA, essa é a mais grave que já li. Como assim? Agora você decide quem merece viver? Ah, não, você tem uma doença rara, fica no seu cantinho aí, definhando, vamos cuidar de outras doenças mais populares. Aliás, esse argumento é o pior de todos porque é EXATAMENTE porque a doença é rara que ela precisa desse fuzuê todo para ficar visível, para que as pessoas se preocupem e entendam. Horrível você pensar que alguém merece sofrer e morrer só porque poucos serão atingidos (e a propósito, a doença não tem nenhuma causa conhecida, qualquer um pode ser o próximo).

Enfim, o que não entendo mesmo é o motivo de alguém sair de seu caminho para CRITICAR alguém que está querendo fazer uma coisa positiva. Vamos combinar o seguinte? Ao invés de criticar essa campanha, divulgue a que você acha legal, a que você colabora. Mas sem vincular a esta ou qualquer outra. Simplesmente divulgue, incentive, jogue um balde na cabeça, pendure uma melancia no pescoço, pinte a cara de azul. Faça o que quiser. E deixe os outros fazerem o que lhes agrada.
Por um mundo com mais solidariedade e menos patrulhamento da vida do outro.

21 agosto, 2014

Links úteis em Roma e Firenze

Atualizei alguns links hoje, e o post "subiu". O original é de 2011.

Estadia em Roma: Aluguel de apartamento - Residenza Campo de Fiori ótima localização, recomendo.

Restaurantes Roma (todos próximos ao Centro Storico / Campo de Fiori)
Baccanale Restaurante / Bar no Campo de Fiori
Tre Tartufi “melhor gelatto do mundo”, segundo o dono do restaurante
La Carbonara
Giggetto
Il Portico

Passeios em Roma
Roma Pass Comece comprando um Roma Pass, dá direito a dois ingressos em museus, circular nos ônibus de Roma sem pagamento adicional e mais descontos nos museus que você for depois dos dois primeiros, por 48 horas. Dica: Use primeiro nos museus mais caros, verifique os preços aqui: Ingressos
Archeobus Programe seus passeios e veja se vale a pena o "Archeobus". Só para circular no Centro Storico não precisa de ônibus de turismo, os circulares e metrô são suficientes.
Appia Antica Ande pela via Appia de bicicleta
Sitios Arqueologicos (incluindo Colosseo)
Monumento Vittorio Emanuele II, ou Altare della Patria ou bolo de noiva, – Imperdivel visitar o alto do monumento, melhor vista de Roma ever.
Museus do Vaticano Dica: faça reserva online, com hora marcada. Impossível a fila sem reserva
Cinecitta Si Mostra visita aos Estúdios da Cinecitta. Para os cinéfilos, imperdível. 
Roma di notte não tem link para isso. Ande por Roma a noite. É lindo demais!

Quando for sair de Roma - Trenitalia

Estadia em Firenze: Hotel econômico, Hotel Europa.

Firenze Restaurantes
Ristorante Orcagna na Piazza dela Signoria, se não for neste restaurante vá em qualquer um da Piazza, em um final de tarde. Lindo!
Osteria Zio Gigi peça a Ribollita, prato típico da Toscana (cozido de legumes)
Il Pizzaiuolo dica de locais, pizza “como a Napolitana”
Trattoria Sostanza também dica local, trattoria típica da Toscana, mas não tive tempo de experimentar...
Qualquer Gelateria, tem uma em cada esquina, todas deliciosas.

Firenze / Toscana Passeios

Passeio pela Região, incluindo Siena, Pizza e almoço “rural”: Best of Tuscany Tour

Qualquer dúvida, me avisem. Espero que a lista ajude quem for viajar!

Add:
Melhores Ofertas

19 agosto, 2014

A tradução automática e o apocalipse

Como tradutora, estou acostumada a ouvir/ler que a profissão que escolhi, no momento em que escolhi, está morrendo. Muitos acreditam que a tradução automática, vai acabar com a necessidade de uma pessoa que leia e traduza um texto. Tudo será lançado em um software de tradução e sairá magicamente do outro lado, de forma perfeitamente compreensível, e passaremos (nós tradutores) a ser desnecessários.

Eu não acredito nisto, nem tenho medo de me tornar irrelevante. Basta lembrar o quão dinâmico e orgânico é um idioma, as muitas nuances de nosso raciocínio que dificilmente um algoritmo cobrirá 100%.

É claro que eu entendo e reconheço que as “machine translations” têm o seu valor para situações emergenciais, necessidades pontuais de compreensão no cotidiano, mas o resultado nunca é aceitável (ou mesmo compreensível) para um texto profissional, uma apresentação de uma empresa na internet, para um anúncio com a mensagem correta e que trará os resultados que a empresa espera.

Por exemplo, tenho certeza que nenhum hotel atrairá clientes com a frase “O custo total sala é a soma dos custos mais baixos noturnas por quarto para o número de noites solicitadas.”. Essa é uma frase em inglês, retirada de um site de um grande hotel e traduzida no Google Translate para português. Deu pra entender? Não, né?

Existem várias máquinas de tradução. Estou citando o Google Translate porque eles mesmos admitem que estão preocupados que, o que já não é bom, pode piorar. Há um efeito de deterioração da qualidade da tradução automática inserido na própria lógica do sistema.

O assunto foi discutido pelo Diretor de Pesquisa do Google, Peter Norvig, na conferência Nasa Innovative Advanced Concepts em Stanford, em fevereiro de 2014. Norvig admitiu que a existência de sites que usam o Google Translate para traduzir todo seu conteúdo automaticamente, tem perpetuado e aprofundado os erros de tradução que ele mesmo (Google Translate) gerou inicialmente, porque os servidores do Google reconhecem estes sites como multilíngues e os indexam em seus servidores para alimentar a sua máquina de tradução, com as traduções de baixa qualidade que ele mesmo gerou.

Claro que, nesta admissão do problema, vem a informação de que estão trabalhando na criação de filtros para minimizar estes efeitos.

De qualquer forma, a questão é que nenhuma empresa que quer ser levada a sério deve usar um serviço de tradução automática. O resultado nunca terá uma aparência final adequada, e alguém que não fala o idioma para o qual a tradução está sendo feita, nunca saberá. Mas o cliente que ele quer atingir saberá.

Algumas pessoas defendem o uso da tradução automática com a revisão posterior por um tradutor. E aí começam vários outros questionamentos. A expectativa de um cliente que contrata um tradutor para “revisar um texto já traduzido” é que isto seja muito mais barato. A verdade para o tradutor, por outro lado, é que o trabalho para revisar uma “machine translation” é o mesmo, as vezes até maior, do que traduzir do zero. A necessidade de pesquisa, revisão e edição é as vezes tão grande quanto, e, muitas vezes, o resultado de uma revisão dessas não é satisfatório, não dá para você, como tradutor, aquele prazer de ver um texto “com sua cara”, bem feito, do jeito que você gostaria de entregar.

O mercado de tradução passa sim, por uma profunda transformação e um grande crescimento de demanda. As traduções automáticas, assim como os softwares CAT (computer aided translation) têm um grande papel neste novo mercado, mas esse papel não é eliminar o tradutor. Tenho certeza que tradutor e máquina trabalharão juntos por anos e anos a fio, e os apocalípticos da tradução de plantão que me perdoem, mas não acredito neles. Meu mundo não está acabando.

(post originalmente piblicado em A+ Translations)

27 abril, 2014

O futuro quem constrói é você

Vamos ficando mais próximos de nossa realidade, na medida em que damos vazão a nossos sonhos. Parece contraditório, mas não é.

Infelizmente, gastamos muita energia ao longo da vida, pensando o que devemos fazer, e não o que queremos. E assim vivemos da forma como conseguimos, um dia depois do outro, imaginando que em algum momento, no futuro, algo vai mudar.

Esquecemos que não há um futuro indefinido e mágico. O futuro é construído com as ações, com o que fazemos no presente, ele não "acontece". O futuro precisa de nós.

E enquanto estamos lutando no cotidiano, simplesmente não enxergamos que o caminho que tomamos, está nos levando na direção contrária do que sonhamos, se é que ainda encontramos tempo para sonhar.

Comece agora.


Bolhasabao004

03 março, 2014

Reflexões de uma ciclista na BR



Fiquei pensando, nesse feriado (carnaval 2014). Todas as vezes em que saí para pedalar vi a gentileza das pessoas dirigindo seus carros e parando para todos os pedestres que querem atravessar a estrada (não é nem uma avenida, é uma BR mesmo!). Acho incrível que todo mundo para, sorri, é lindo.
O mais engraçado é que sei que essas mesmas pessoas, em seu habitat natural (aka São Paulo) estariam buzinando, provavelmente mandando lembranças à mãe do pedestre se ele se jogasse no meio da estrada (porque o pessoal abusa mesmo) como fazem aqui. Isso se não tivesse um surto qualquer e simplesmente passasse por cima.
E porque, né? Porque o mesmo motorista sem paciência de São Paulo chega aqui no litoral e age completamente diferente? Simples, eles estão felizes. Nesses poucos dias de férias/feriado eles respiram outros ares (literalmente), relaxam, estão passeando, aproveitando seus dias de descanso, e, portanto, ficam gentis. Pessoas felizes são mais humanas, mais gentis. Pessoas felizes não atropelam pedestres malucos que se jogam na BR.
Se todas as pessoas fossem felizes o tempo todo, o mundo seria muito diferente, já pensou nisso?

E você, já fez alguém feliz hoje? Comece por você. Seja feliz, está dentro de cada um.